domingo, 20 de abril de 2014

Vida e Tempo... os senhores da razão!

Absorta em meus pensamentos, eu cheguei a conclusão, não tão positiva quanto eu queria que fosse, mas a crua constatação de que a vida nos faz fortes... Mas que o tempo, tão senhor e enigmático, faz de nós, débeis... diminutos perante a vida, que outrora nos tornou fortes. Esse é um dos mistérios da vida. Por que nascer, por que viver... por que morrer? Qual será a resposta dessa pergunta, falada entre todos idiomas... as línguas, dentre todos os seres? Por quê???  Chega um momento, que desistimos de nos perguntar.. desistimos de encontrar uma réplica. Não há nessa esfera, ser passível de encontrar uma resposta.

Eu não sei...
Eu não sei... não sei...

Me sinto tão pequena diante de tamanho questionamento. Ás vezes, penso que encontrei a chave do enigma, mas me sinto refutada... então, vejo que novamente, perdi o fio da meada. É como num sonho, nele eu tenho as respostas, eu encontro todas as saídas - mas ao despertar, me confundo, me perco... me sinto só nessa longa jornada em busca da descoberta. E aí, volto ao final da fila. Continuo sem saber, continuo minha busca angustiante em saber quem sou e o que estou fazendo aqui.

Então, procuro esquecer (ainda que momentaneamente), tento viver a vida como se fosse mais uma ignorante na multidão. Tento ser feliz nas minúsculas alegrias do dia... estou viva, então, deve haver um porquê. Agradeço ao sol, agradeço a chuva, a noite... o trabalho, o fato de respirar sem a ajuda de aparelhos... eu tenho vida. É melhor esquecer... é melhor não tentar me meter em contendas que não posso suportar. O embate é grande. Não é para mim, não é para nós, simples mortais. Eu sei que a vida, minha vida me fez forte, como todo o dever de casa, com toda a atribulação que fez de mim uma sobrevivente. Me fiz forte, fui forte, sou forte. Mas vem o tempo agora, e começo a me dobrar em cima de minha força... começa a hora de me curvar. Inicia-se o debute do fim. Começa o descer da ladeira. Deu-se o início daquilo que não queremos aceitar...

3 comentários:

  1. Texto Foda! Parabéns Andreia Sieczko, pena que poucos param para refletir e outros nem consigam entender nada nunca.

    ResponderExcluir
  2. Texto Foda! Parabéns Andreia Sieczko. Pena que algumas pessoas não parem para refletir e outras sequer consigam entender!

    ResponderExcluir

Deixe aqui sua mensagem