terça-feira, 22 de agosto de 2017

Cema, minha Iracema

Eu ainda deveria estar na barriga da minha mãe, enquanto ela já ajudava as pessoas ao seu redor. Foi uma mulher à frente de seu tempo. Sei que trabalhava fora, era independente e tinha um noivo militar, que morreu jovem, à serviço da Pátria, deixando-a uma noiva, virgem, e assim se manteve até o fim de sua jornada nesta vida. Iracema Magalhães da Cunha, a primeira pessoa "espírita" que eu conheci na vida. Lembro bem disso, porque a palavra "espírita" sempre me causou curiosidade, sem ter noção do que era o significado da palavra. Com o passar dos anos, às vezes essa palavra me causava medo, porque eu comparava à palavra "fantasma", o que  tinha um 
sentido deturpado sobre o que é o espiritismo. Cema sempre foi uma pessoa maravilhosa, sempre pronta a ajudar e com certeza, é um espírito de luz e amor. Há alguns anos eu venho pensando muito na Cema... sempre me recordo dela com muito carinho e imagino que desde o céu, ela está olhando por todos os que ela amava muito aqui nessa terra. Sempre que pensava em desencarne, idealizava a Iracema com aquele semblante sereno, calmo... com seus cabelos brancos penteados pra trás, os grandes brincos de pressão, em formato de pérola, e o vestido azul marinho com flores miúdas estampadas. Afigura-se para mim já com certa idade, mas com o mesmo vigor de uma pessoa jovem. Afinal, já a conheci nesta vida em idade madura... Mãe adotiva da amiga falecida Eliane e mãe do coração de tantas outras pessoas que ela dava morada em sua casa. Tinha também dona Laura, uma senhorinha que vivia com ela no mesmo apartamento da Rua do Lavradio, 106, apartamento 315. Iracema sempre foi uma pessoa caridosa. Saía de casa e descia e subia as escadas caracóis porque o elevador quase sempre estava com defeito... e ia no supermercado Casas da Banha, ali na Praça João Pessoa para comprar algum item para as senhorinhas que eram nossas vizinhas. Estava sempre pronta para ajudar. Trabalhava em casa como costureira, e fez os vestidos mais bonitos das minhas lembranças de infância. Ela era uma especialista em vestidos de noiva, e acho que ela não cobrava pela mão de obra... não tenho certeza, era muito pequena, mas sempre ouvi que ela não cobrava por costurar vestidos de noiva. Como eu disse, ela era noiva e nunca se casou... mas tinha um coração de mãe, uma bondade única e eu ficava encantada quando via as fotografias dos vestidos de noiva que ela costurava. Na sala da casa dela, tinha um poster enorme com minha fotografia quando eu tinha 1 ano. Depois que a Cema desencarnou, a irmã dela nos devolveu o antigo poster e ainda o tenho até hoje. Tinha uma grande mesa na sala, um móvel enorme no canto, e eu criança, ficava mexendo no telefone de disco dela, que era bem antigo. A casa tinha cheiro de fumo de rolo, que a dona Laura ficava mastigando. Lembro do sol entrando pela janela sem cortinas, uma pilha de livros, jornais e revistas de corte e costura. Lembro de ir para a casa dela, descalça pelos corredores de cera vermelha, até mesmo antes de andar, ia engatinhando... Alguma vez eu e Waltinho devemos ter ficado com ela para nossa mãe sair rapidamente. Lembro da Cema em todos os meus aniversários, sempre, ano após ano que eu vivi ali. Minha mãe conta uma história que um dia, eu deveria ter 3 ou 4 anos, e era meu aniversário... mas seria apenas um bolinho com ki-suco, nada demais... Porém, eu peguei meu velocípede amarelo, e fui de porta em porta dos apartamentos do 3º andar, subia no velocípede e tocava a campainha das portas vizinhas... todos no prédio da Lavradio me conheciam - meu pai nascera ali - e então eu fui convidando a todos os vizinhos, um a um... e dizia que naquele dia, era meu aniversário e que minha mãe faria um festa! No final da tarde, o povo ia chegando, a Cema com certeza, deve ter sido a primeira a chegar, com cheirinho de alfazema, brincos de pressão em formato de pérola, cordão igualmente de pérola, e com um de seus vestidos de cetim macio, de fundo escuro e com alguma estampa de florzinhas. E assim, desta forma tão pueril, eu fiquei alegre e satisfeita com meus convidados chegando e minha mãe já no desespero de fazer mais ki-suco de morango e servir as fatias do bolo caseiro. Tudo era excepcionalmente, uma festa... ninguém se importava com a celebração módica... para Cema e nossas vizinhas, era um evento e tanto participar da minha comemoração. Era uma oportunidade de colocar o assunto em dia e eu era muito mimada por todos. Assim eu cresci, amando a Cema, nossa vizinha, nossa amiga e com certeza, um Anjo da Guarda que tenho no céu. Em janeiro deste ano, quando minha mãe chegou ao hospital para ficar com o Waltinho e tirou da bolsa aquela oração, presente da Cema, com a sua letra linda escrita... ali eu tive a certeza que não estávamos sozinhas, que Deus reservou Anjos para que pudéssemos acreditar que a vida nunca acaba, que a morte é apenas uma passagem, um retorno para a vida verdadeira. Foi um grande conforto, ter aquele papel antigo, amarelado, com mais de 20 anos, plastificado com todo amor e carinho, para que continuasse sendo esse presente precioso de conforto e luz que ela nos deixou. Eu já tinha vontade de escrever sobre a Cema já há muito tempo... e relembrei isso em janeiro, enquanto estávamos no hospital cuidando do Waltinho. Então, eu acredito que Cema estava entre nossa família espiritual na passagem do meu irmãozinho. Esse sentimento conforta meu coração. Penso nos meus avós, penso em Nossa Senhora, que escolheu a hora sagrada dela, 18:00h, para recebê-lo e aconchegá-lo em seu manto azul de amor. Eu sinto essa paz, eu sinto esse amor. Eu tenho muita saudades do Waltinho, mas eu tenho fé que ele está bem e acarinhado pela Cema e tantos outros amigos e familiares.




E assim, desta mesma forma, eu sempre imagino que ela, como espírito de luz, que sempre ajudou seu semelhante, estará do outro lado da vida, sendo um dos rostos amigos que estarão lá, para me receber, quando chegar minha hora. Iracema deixou algumas outras coisas escritas para minha mãe, e além disso, deixou ensinamentos ímpares de como um ser humano deve ser e se comportar diante das vicissitudes da vida. 

Há muito tempo atrás, quando eu pensava na morte, a Iracema, minha Cema, vinha sempre à minha mente. Mesmo antes do Waltinho descobrir o câncer, anos atrás, quando eu imaginava como era ser passar para o lado de lá, a Cema vinha na minha cabeça. 

Eu agredeço muito à Cema. E peço que Jesus permita que ela me receba, junto com meu irmão e minha família espiritual no dia que eu não mais abrir os olhos nesta experiência de vida.  Sou grata pelo amor que a Cema sempre nos ofereceu, sem nunca pedir nada em troca. Te amo, Iracema. Você foi um personagem muito importante na minha infância e juventude. Presente em todos os meus aniversários, todos os meus dias, vizinha de porta, guardiã espiritual da minha vida.




Oração da manhã

Bom dia, Senhor!

No silêncio deste dia que amanhece,
Venho pedir-te a Paz, a Sabedoria, a Força.
Quero ver hoje o mundo com os olhos cheios de amor.
Ser paciente, compreensivo, manso e prudente.
Ver além das aparências teus filhos,
Como tu mesmo os vês,
E assim, não ver senão o bem em cada um.
Cerra meus ouvidos a toda calúnia.
Guarda minha língua de toda a maldade.
Que só de bênçãos se encha meu espírito.
Que eu seja tão bondoso e alegre,
Que todos quantos se achegarem a mim,
Sintam sua presença.
Reveste-me de tua beleza, Senhor,
E que , no decurso deste dia,
"Eu Te Revele a Todos."



Esta oração, nesta foto, está na cama do hospital onde se encontrava meu amado irmão Walter Sieczko dos Santos. E ali, fizemos essa oração e por muitas vezes, pedi o conforto espiritual para nós, naqueles momentos. Minha mãe  guarda essa oração com muito carinho, uma jóia preciosa, com valor inestimável.

Agradeço a Deus, pela oportunidade que tive, de estar junto com meu irmão e nossa mãe naqueles dias.

Agradeço a Jesus, e a Mãe Maria, agradeço à Cema e a todos os espíritos de luz que nos ampararam.

Eu creio que meu irmão esteja acolhido no amor supremo do Universo.

Obrigada, Iracema.

Andreia Sieczko

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

21 de agosto 2017

Mais 1 ano de casados!

Assim como ano passado, este ano não quis fazer festa de renovação de votos. Ainda estou muito despedaçada para comemorar qualquer coisa. Sinto ainda muita dor pela perda do meu irmão Waltinho, sinceramente não estou pronta para grandes eventos. Lidar com o luto, já é uma dor muito grande, mas ter que lidar com a crueldade do mundo referente à morte dele; é demais para mim. Meu sentimento hoje é muito diferente do que há 2 anos atrás, antes do câncer - que nunca havia chegado até então em minha família e pelo ano corrente da luta que meu irmão travou.  Por hora, nos basta então um jantar, uma nova aliança e uma benção, pedindo que Deus nos dê força e discernimento para juntos, continuarmos a nossa caminhada.



domingo, 20 de agosto de 2017

Xarope Expec - Que sono!!!

Ainda com resquícios da sinusite... muita tosse à noite. Caracas, tomei o xarope expec... e caí num sono profundo... Descobri algo melhor que rivotril pra dormir, rssssss!!! 

Foi bom porque nem vi esse dia horroroso passar.

sábado, 19 de agosto de 2017

Passeio com Compadres e Afilhadinho Gabriel


Meu louro tá crescendo... A Dinda estava com saudades, então foi comer com ele um Mc lanche feliz pra ganhar uns bonequinhos que até agora a Dinda não sabe o nome, kkkkkkk eita dinda fora de moda, nem sabe o que está rolando  no universo das crianças!!!

 Meu louro é um menino muito feliz!
 Adora uma brincadeira!!!


quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Reiki - Energia Vital


Queensryche Show Silent lucidity Legendado

Ontem

Meu irmão, muito obrigada pelo presente que você me enviou ontem à noite. Meu eterno amor, minha eterna gratidão! Recebi com muito carinho e me trouxe um significado especial, que você também está recebendo minhas orações e energia positiva. Agradeço, Senhor, Deus Pai do Universo! Eu agradeço pela oportunidade de ter vindo irmã do Waltinho e do Victor, agradeço pelo aprendizado em minha família, meus pais, tios, primos e amigos que fazem parte do meu desenvolvimento. Agradeço também aos meus desafetos, que me permitem aprender dia a dia quanto custa cada escolha, cada ato nosso.


segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Exemplo de Pai - Nosso Tio Guzzo


Imagina que sua tia há mais de 50 anos conhece um homem e casa-se com ele. E esse homem, torna-se seu tio, padrinho, anjo da guarda e o melhor pai postiço do mundo! Vive para nossa família e pela nossa família. Um descendente de italiano, durão, mas com um coração enorme. Um tio que nunca vi expôr diferenças entre os filhos biológicos e os sobrinhos.  Todos os dias chegava cedo em casa, já vinha assoviando no corredor, e seus filhos, afilhados e sobrinhos vinham correndo para recebê-lo e escalavam em suas pernas até chegar na "carcunda". Subíamos todos em suas costas, e ele trazia todos nas costas, nos braços e nas pernas. Brincava e dava atenção. Levava todos à praia, pra pescar, pra jogar bola no Aterro do Flamengo. Por anos a fio foi assim.


Então, não dá pra esquecer no dia dos pais, da presença constante na minha vida, na vida do meu irmãozinho Waltinho (de quem nosso tio é padrinho), Felipe e Priscila e também, claro para os próprios filhos Rodrigo e Bruno.
Tio Guzzo, um homem bom, com caráter, bom marido, cunhado, irmão, tio e também nosso paizão emprestado, mas que tá sempre ali pra nos dar uma palavra e um abraço. Só tenho a agradecer a Deus por ter nos presenteado com tio tão presente como é o tio Guzzo. Ele é uma referência pra mim, e acho que para todos os sobrinhos sem sombra de dúvidas. 
Tio Guzzo, que Papai do Céu nos abençoe por muitos e muitos anos com sua presença em nossas vidas. Muita paz, muita saúde e muito obrigada pelo seu carinho e seu amor. Por tudo que o senhor representou em nossa infância, juventude e até mesmo agora, quando já estamos todos crescidos. 

Um beijo meu, do Waltinho que mesmo no céu ainda te ama muito e te admira, beijos da Pia e do Felipe. Muito obrigada por ter sido um tio-pai pra gente!

Feliz dia dos Pais!!!!!!
José Antonio Guzzo, Sieczko

domingo, 13 de agosto de 2017

Querido pai ausente - Texto Ananda Urias

Para minhas amigas, familiares, conhecidas e desconhecidas que fazem o papel de mãe e pai... A todas o meu respeito.


Querido pai ausente,

Seu filho é uma criança incrível e você, há anos, está perdendo tudo isso. Ele, as vezes, me questiona a sua ausência, e eu não sei o que dizer. Gostaria de dizer a verdade, mas ela é muito dura para uma criança tão pequena. Enquanto você gasta todo o seu dinheiro na balada e me denigre porque te peço o que é de direito dele, eu não tenho tempo para tais diversões.

Eu queria dizer para o mundo que ele é só meu, mas dá pra ver nos seus traços, você estampado nele. A minha luta diária é que ele não se pareça com você no caráter. Porque filho meu vai aprender a respeitar quem do seu sangue nasceu. E ele vai aprender a te respeitar também, mesmo você não merecendo... eu desejo que ele tenha um coração puro de amor! Raiva e rancor iriam apenas acabar com a sua inocência. E quando eu vejo aquele sorriso tão sincero, oro para que ele seja pra sempre um ser de amor, porque é amor que ele recebe de mim e de todos que escolheram estar ao lado dele.

Ensino ele a orar por você todos os dias. Criando um filho forte e sem dores profundas, sei que estarei criando também um homem generoso, amoroso e que respeita os outros. Mas de você, caro pai ausente, sinto pena porque não sabes aproveitar os momentos ao lado dele.

Você, por um acaso, saberia responder: Qual o seu lanche predileto? Quem é o seu melhor amigo? O desenho animado preferido? O herói ou a princesa favorita? A blusa que ele mais adora? As suas frases novas? Se ele sonha em ser astronauta ou bailarina? Se ele tem medo de escuro? Se ele sonha em ter um cachorro? Qual foi o último nome que ele chamou?

Você não sabe responder. Mas eu sei! E sei muito mais. Ele não precisa nem me contar, porque eu sei coisas sobre ele que só quem ama e convive poderia saber: sei quando ele está mentindo para mim, sei quando ele está triste, quando algo o preocupa, e sei também quando ele precisa do meu silêncio e daquele bom e velho colo que cura. Ele está crescendo, caro pai ausente, e você perdeu todas as oportunidades que a vida te deu de se fazer presente.

Eu ensinei ele a não chorar mais por ti. Eu ensinei também que amor não se impõe e não se implora. E tenho orgulho da criança que ele se tornou! Hoje, ele é fruto de todo o meu esforço e zelo, mesmo em meio a tanto sufoco e preconceito. Somos apenas dois, mas nos tornamos a melhor família que poderíamos ser.

Um dia, você vai acordar e perceber que perdeu o maior presente que a vida já te deu. E nesse dia... eu vou orar para eu possa perdoar todas as lágrimas que meu filho chorou por não saber: por onde andava você! 
Assinado: mãe presente.

Texto: Ananda Urias

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Alegria ruiu... o amor, não.

Pois é... cada dia que passa eu descubro que minha alegria nunca mais será a mesma, que quando eu sorrir, o sorriso será sempre amarelado, sempre forçado, como quem quer mostrar uma coisa antônima do que está sentindo. Nada tem mais a graça de antes. Para todos os lados, eu vejo coisas que me lembra você, Waltinho. Em cada vitrine de loja, eu me lembro de alguma coisa sua, atravesso a rua, vejo alguma coisa que me lembra você. Isso tudo é uma coisa tão instantânea e natural, que eu já nem mais me surpreendo, irmãozinho. Você está presente em minha vida, pulsa em meu coração e sempre estou te enviando minhas orações, boas energias pra você, porque eu te amo tanto que eu não consigo esquecer que você não está mais neste mundo.

Andreia Sieczko e seu irmãozinho Walter Sieczko dos Santos

Capela Mayrink - Floresta da Tijuca, local onde sempre íamos brincar quando éramos pequenos. Nossos pais nos levavam, depois nossa mãe continuou nos levando pra brincar e fazer trilhas.

Saudades, meu irmãozinho Waltinho!

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Preciso de descanso


Walter Sieczko - Guerreiro alado, amor eterno!

 A saudade só cresce, meu irmão!

Este fim de semana fui almoçar com nossa mãe e não pude deixar de reparar o seu caneco de comemoração da sua brevetação em 1993, quando você se formou paraquedista.

Você lembra da história desse caneco? A sua festa de formatura na Brigada, foi legal... uma lembrança muito boa que tenho guardada na mente. Você tão novinho, tão magrelo e com o cabelo reco... Tão feliz por ter abandonado o "coturno de pé preto" e se tornado um "bute marrom", um soldado audaz, especializado na tropa de elite, pela Brigada de Infantaria Paraquedista, no 27º BTL. Eu estava presente nesse momento importante da sua vida, meu irmão. Simplesmente eu não poderia deixar de estar. Lembro de você muito feliz e orgulhoso por ter sobrevivido a área de estágio e feito sua brevetação. Seu salto no Campo dos Afonsos. Quando teve o baile, você levou sua namorada da época e dançou e se divertiu muito com os amigos.
Me recordo que ter esse pedacinho de sua história foi uma determinação sua, já que a cada término de relacionamento, a companheira "da vez" jogava suas coisas fora. E então você decidiu deixar o caneco da formatura bem guardado na casa de nossa mãe. Bom... está lá até hoje, e pra sempre vai ficar, para ser contemplado e lembrado a cada vez que olharmos pra ele. Ali tem um pedacinho da tua história, Waltinho; um momento em que sua alegria e seu orgulho se concretizou com o brevê de asas de prata. Eu também tenho um brevê do seu uniforme, tenho seu nome SIECZKO também guardado, com muito amor e com muito carinho, porque você sempre foi muito amado. 
Em diversas ocasiões você comentou comigo e também com seus tios, do sonho de seu filho homem seguir a carreira militar, quem sabe se tornar um guerreiro alado como o pai... sentir o cheiro de nuvem que apenas os audazes guerreiros do ar conquistaram com esforço essa vitória. Eu sei do seu desejo, meu irmão. Se seu filho quiser seguir a vida militar, terá totalmente meu apoio. Essa foi uma das promessas que eu te fiz. Você me fez esse pedido em todas as conversas que tivemos e em nosso último encontro não foi diferente. Eu estarei sempre à disposição de seu filho, meu irmão, pois ele é sangue do meu sangue, carne da minha carne e um pedaço muito grande de você próprio... Uma metade sua e também minha, e de nossos pais, faz parte do seu menino. E quando você disse à ele que se precisasse de mim, para qualquer coisa, que poderia encontrar em minha pessoa o apoio, o carinho e o afago que sempre dei a você, meu irmão, tenha essa certeza! Seu filho é um pedacinho de Waltinho que vive e cresce a cada dia neste mundo. Menino bom, menino inteligente, muito amoroso e me lembra muito você quando tinha  a idade dele. Rezo muito para que ele siga a voz do coração e se lembre da conversa que vocês tinham sobre ele seguir a carreira militar. Seria um grande presente e uma honra imensurável cuidar deste menino se ele viesse servir aqui no Rio. Mas Deus é quem sabe de todas as coisas e quem decide o nosso destino. Se for da vontade do Pai, quem sabe? Eu sei que estou aqui, aguardando, junto com toda nossa família para recebê-lo quando ele sentir vontade. Seria um orgulho muito grande, para você, Walter e para todos nós que ele tivesse um caneco igual ao seu. E a cada salto, no alto de um C-130, desbravando o céu azul com um velame aberto, ele não só sentiria o cheiro de nuvem, mas com certeza, sentiria seu abraço e sua constante presença.

AVANTE, PARAQUEDISTA!



André Luis Freire de Andrade Sieczko




terça-feira, 8 de agosto de 2017

Night


http://blogs.oglobo.globo.com/ancelmo/post/mae-que-nao-consegue-dizer-nao-ao-filho-pede-escola-que-proiba-pipoqueiro-na-porta.html?utm_source=Facebook&utm_medium=Social&utm_campaign=compartilhar

EDUCAÇÃO

Mãe que não consegue dizer 'não' ao filho pede à escola que proíba pipoqueiro na porta

POR ANCELMO GOIS
Madame não educa
A mãe de um aluno de um colégio tradicional da Tijuca, no Rio, pediu que a direção proíba o pipoqueiro de trabalhar na porta da escola. É que ela proibiu o filho de comer pipoca. Mas, sempre que vê o pipoqueiro, o miúdo pede à mãe para comprar. E ela não sabe dizer não. Ah, bom!
Pipoca

Toda moeda tem 2 lados...


http://pt.wikihow.com/Lidar-com-a-Morte-de-seu-Irm%C3%A3o-ou-Irm%C3%A3

Texo retirado da internet:

http://pt.wikihow.com/Lidar-com-a-Morte-de-seu-Irm%C3%A3o-ou-Irm%C3%A3



Passos

1
Aceite que não existe um modo certo ou errado de lidar com isto. Você poderá sentir-se insensível ou descrente em vários momentos, e até de que deveria sentir-se mais triste apesar de não conseguir. Em outras ocasiões, a vontade pode ser de gritar e berrar, fugir e ficar isolado, sumir. São todas sensações normais e não há nenhum problema em experienciá-las. Não coloque pressão em si mesma para sentir-se de uma certa maneira.

2
Continue conversando sobre como está sentido-se o mais que puder. Pode nem sempre ser fácil transmitir em palavras o que está acontecendo em seu interior, mas tente explicar aos outros. Amigos próximos e a família sempre irão querer lhe ajudar o máximo possível, mas nem sempre saberão como, logo, ao dizer como está sentindo-se e como precisa que ajam em sua volta, você irá auxiliá-los a encontrar a melhor maneira de lhe apoiar.

3
Saiba que você também pode precisar de um tempo sozinho. Apesar de ser bom continuar conversando com outras pessoas o máximo possível, talvez seja necessário também arranjar um período em que possa ficar sozinho para processar seus próprios pensamentos e sentimentos. Esse comportamento é perfeitamente normal. Às vezes, você poderá perceber que ao ir a um certo lugar, seus pensamentos são reordenados - pode ser um local que era especial a sua(seu) irmã(o), o lugar onde descansam, um parque silencioso ou até seu próprio quarto. Outra atividade que pode lhe ajudar é passar ao papel tudo que está pensando e sentindo, se lhe ajudar a organizar melhor sua mente.

4
Crie recordações ou objetos para celebrar e relembrar sua(seu) irmã(o). Nisto, poderão estar incluídos os preparativos para o funeral da pessoa, ajudando a escolher músicas ou textos para leitura (às vezes, até você mesmo quer ler algo). Talvez você não sinta-se à vontade para contribuir demais à cerimônia e pode ser que só depois que as lembranças relacionadas a ela parem de ser muito doloridas. Existem várias ideias relacionadas a itens que você pode criar para manter a memória dela viva; álbuns de recortes, caixas com objetos do indivíduo, álbuns de fotos, poesias, músicas que ela gostava e mais. Quanto mais pessoais forem, melhor serão para você quando quiser passar um tempo relembrando de sua(seu) irmã(o) e todos os momentos felizes que passaram juntos. Talvez também seja legal dedicar um tempo para realizar projetos com outros membros de sua família, lhe ajudando a lidar com isto - podem ser tarefas sem qualquer relação ao seu irmão ou irmã, mas que podem lhe ocupar e distrair enquanto estiver num ambiente cercado por outras pessoas que sabem pelo que está passando.

5
Lembre que você não é a única pessoa em luto e as ações das outras pessoas também serão influenciadas por isto. Outros irmãos, parentes, primos, avós, amigos e tios também ficarão tocados pela morte de sua(seu) irmã(o) de diferentes maneiras. Não esqueça este detalhe e trate os desejos e emoções deles com o mesmo respeito que gostaria de ser tratado. Em muitos casos, outros indivíduos irão lhe perguntar como seus pais estão lidando com esta perda, o que pode parecer um pouco desrespeitoso e ofensivo, pois dá a impressão que as pessoas estão ignorando seus sentimentos. Porém, elas estão apenas tentando ajudar e podem não estar à vontade para perguntar diretamente como você está. Mas lembre que suas emoções e suas formas de lidar e ficar de luto pela morte da pessoa são tão válidas quanto as dos outros.

6
Procure por um grupo de apoio ou outro tipo de ajuda profissional. Este é um acontecimento impactante em sua vida e não há vergonha nenhum em procurar ajuda externa. Muitos grupos de apoio e suporte existem pois várias pessoas encontram conforto em falar com indivíduos fora do círculo familiar e de amizade. Desde encontros em grupos a sessões particulares, números telefônicos especializados e fóruns de internet sobre o assunto, não faltam locais para ir caso sinta esta vontade. Seu médico poderá lhe guiar à melhor direção.

7
Peça, especificamente, para não sentirem pena. Olhares simpáticos de vez em quando são legais, mas a maioria das pessoas que já passaram por tamanha tragédia não apreciam a pena como grande parte da população pensa. Se esclarecer isto logo de cara, as pessoas irão evitar de fazer algo que não lhe agrade, especialmente nesta hora de sofrimento.

8
Sempre que conversar com alguém, não aja de maneira anormal ou aborde o assunto. Isto resulta em pena por parte da outra pessoa, que é algo sem dúvida indesejável.

9
Fique de luto, mas não muito. Nisto também está incluído não ficar chafurdando em sua autopiedade.

10
Se alguém lhe der um presente que lembre a(o) irmã/irmão falecido, não jogue-o fora. Guarde-o pois mais tarde, quando a dor tiver passado um pouco mais, você irá querer relembrar a pessoa, e um presente que lhe traz lembranças dela será algo perfeito para se ver neste momento.

11
Crie sua própria "lembrança". Álbuns de fotos e recortes, sites dedicatórios e muitas outras opções são ótimas para manter aquela querida pessoa constantemente em seu coração.
Não tenha medo de chorar.


Saiba que você nunca irá superar a morte da pessoa, pois provavelmente sempre irá querer lembrar-se dela, sentindo-se triste por ela ter partido. Entretanto, com o tempo, você encontrará um jeito certo de continuar mantendo-a em suas lembranças, mas também seguirá em frente. Dias felizes virão novamente.

Converse com a pessoa que perdeu como se ela estivesse no quarto com você. Diga como se sente e como está encarando sua morte. É um jeito de falar tudo que você não teve a chance de dizer antes da morte dela.

As pessoas querem te ajudar; peça auxílio se precisar.

Existem muitos sites que oferecem conselhos e apoio. Eles podem ser sobre o luto em geral, endereços específicos de apoio a irmãos ou até especificamente para a causa da morte de seu irmão/irmã.

Cuidado com as coisas que o lembrem da pessoa. Nos primeiros dias, você precisa ficar "sozinho", sem objetos, músicas, fotos, enfim, tudo que traga lembranças do(a) irmão/irmã. Assim, depois de um tempo, quando começar a sentir falta dele(a), desenterre aquele velho álbum de fotos que você nunca olhou e comece a folheá-las.
Tente seguir sua vida. Não existe muito o que dizer sobre isso - é autoexplicativo. Você precisa parar de se esconder nas sombras do luto e mostrar ao mundo que você é capaz de lidar com a morte!
Cerque-se de pessoas próximas e apoie um ao outro quanto mais puder.
Tente não colocar mais pressão ainda em si mesmo, pois este evento é traumático, devastador e extenuante. Não há nenhum problema em chorar e sentir a dor, mas relembrar os bons tempos também lhe ajudará muito.
Encontre maneiras de compartilhar as lembranças da pessoa e celebrar sua vida.

Avisos
Uma morte impactante como esta pode levar a pensamentos depressivos e de suicídio. Isso não é anormal, mas procure ajuda profissional com seus médico logo, caso perceba que está sofrendo disso.



Walter Waltinho, meu irmãozinho!


Ave Maria, cheia de Graça
O Senhor é convosco
Bendita sois vós entre as mulheres
E bendito é  o fruto do vosso ventre, Jesus
Santa Maria, mãe de Deus
Rogai por nós, pecadores
Agora e na hora de nossa morte,
Amém!


Rogai por nós, Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

Meu amado irmão, Walter, Waltinho, para sempre meu irmãozinho, esteja na paz de Deus. Que Nossa Senhora esteja lhe cuidando.

Quem ama não mata! Queremos JUSTIÇA!


À Flor da Pele - Zeca Baleiro - Legendado

domingo, 6 de agosto de 2017

sábado, 5 de agosto de 2017

Chá de Bebê do João Felipe

 Sábado, 05/08 foi dia do chá de bebê do João Felipe
 Filho muito amado e esperado de amigos especiais, amigos de longa data!
 Agradeço pela oportunidade de participar de um momento tão importante.
 Que João Felipe chegue logo, com muita saúde para trazer bastante alegria para os 
papais e toda a família!!!

Metallica - The Unforgiven Legendado / Tradução