segunda-feira, 18 de junho de 2018

Minha imodéstia!



Eu sei que pode ser pretensão minha...
Mas eu tenho os 2 irmãos mais lindos que uma irmã mais velha pode ter.

AMO MUITO!

Somos nós: eu, Waltinho e Victor


Eu vou amar pra sempre, para todo o sempre!
Meu Deus, muito obrigada por ter me dado 2 irmãos. Muito obrigada pela minha família. Muito obrigada por todos os momentos que passamos juntos. Muito obrigada por cada encontro, cada risada, cada piada, cada brincadeira, cada conversa que tivemos juntos.

Meus irmãos, sempre seremos nós...
Sempre vou amar demais vocês!

domingo, 17 de junho de 2018

Hoje o dia foi triste

Hoje o dia foi triste.
Pra mim, foi...
O irmãozinho caçula da Gabi foi chamado pelo Senhor. Foram 16 anos lutando contra um câncer de pulmão. Que dó, apenas 20 anos de idade. Eu sei, ele descansou... isso aqui é uma passagem, também sei que nosso espírito é imortal... mas eu sempre vou achar muito triste, perder um irmão mais novo. Nunca vou achar normal, nunca vou me acostumar com a realidade chamada vida. Todos sabemos que a única realidade da vida, é a morte, mas também sei que não estamos preparados. Ninguém está preparado para perder a quem ama. Me conforta saber que o Fabio, esse anjo que está agora nos braços do Pai, foi cuidado por sua família. Partiu na hora que aprouve nosso Senhor Deus. Foi, é e sempre será amado por sua irmã, por sua família e amigos. Não tenho muito o que expressar. Foi complicado para mim e para mamãe irmos até lá, dar um abraço na Gabi. Dá um trictric... nos faltou ar.. e entrou pesado. A mente fica em alerta, muitas coisas na cabeça, tudo volta, uma tristeza que é mais forte que nós.

Deus abençoe e conforte o coraçãozinho da Gabrielle e de sua família.

sem palavras, dói demais! 

sábado, 16 de junho de 2018

http://anovacristandade.blogspot.com/2016/10/fantasma-caseiro.html - Carlos Moreira

Mais um sensacional texto de Carlos Moreira

Para pensar e refletir...

Uma das grandes tragédias relacionais é a pessoa se tornar um fantasma caseiro. Sim, isso é mais comum do que se imagina, é quando o outro passa a ser ignorado pelo parceiro e aceita viver de migalhas do tempo, busca saciar-se com a escassez de gestos, quase suplica por miudezas de olhares e restos de atenção.

O fantasma caseiro é o estado final da alma que foi desprezada e não se ateve para o mal do abandono, procurou, erradamente, satisfazer-se com pouco, lutou, ainda que heroicamente, para sobreviver do expurgo de um tipo de amor que mata, pois o narcisista só consegue amar àquilo que é espelho.

Quanta gente já vi sucumbir em meio a esse tipo de patologia moderna, viraram assombrações de si mesmos, perambulando por corredores escuros, agonizando solitários em lençóis esbranquiçados, sentados, postumamente, na frente da TV ou comendo comida velha no banquinho de canto da cozinha.

Neste contexto, já dizia Cazuza, a pior solidão é aquela de quem está acompanhado, faz a pele enrugar de tristeza e a boca murchar de descontentamento.

Portanto, se você discerne que está vivendo este processo, que sua existência está lhe levando a se tornar um holograma, uma projeção imaterial de um eu que sucumbiu em si mesmo, se as paredes se tornaram confidentes e os livros uma distração irremediável, talvez esteja na hora de pensar um pouco em você, pois há cura para este tipo de mal, basta que a pessoa acorde do sonífero que fez o coração se tornar dormente a dor.

Acredite, não há pobreza maior do que não ter o que receber de quem se ama, pois a mendicância de afeto corrói mais que a ferrugem do ferro, mata compulsoriamente, faz o corpo implodir em silêncio e sombra, transforma a vida na cinza das horas.

Desta forma, se já estais só, ainda que iludido com uma companhia que não te acompanha, não seria melhor libertar-se deste vício que te prendeu ao outro sem razão e sem por quês? Ama-te a ti mesmo, antes de tudo, e assim será possível amar e ser amado por alguém...


http://anovacristandade.blogspot.com/2016/10/fantasma-caseiro.html




quarta-feira, 13 de junho de 2018

Obrigada, Mãe - Pro Matre

Obrigada, mamãe, Nina Celia Sieczko
Por ter cuidado de mim e do Waltinho.
Quem ama, cuida!




















E comigo fizeram...

Busco em tua ausência, os caminhos por onde te afastastes... o erro que te incomodou, o lugar onde  entendimento se perdeu. Memorizo, a cada instante o último quadro visto, apagando-se com o raio de vida que te deixei quando parti. O cheiro que ainda guardo, o abraço que jamais pensei que fosse o último, a última voz, a derradeira risada que quase não consigo lembrar. Te amo o todo, te amo desde o início, todo o meio, e o que sobrevive nesse tempo sem fim. Hoje, preciso dedicar-me à tua oração, aprender a caminhar com tua fé, e sorrir sozinha ao lembrar do tempo que convivi com tua presença. Acordar amanhã e seguir nessa estrada, chutando as pedras, recorrendo a novos caminhos que me levem à engolir com graça e altivez o direito que me foi negado. Eu sei que pra tudo, existe um motivo, mas não consigo achar o fio da meada... fiquei na vez... como se assistisse um filme sem final feliz, e sem a tecla SAP. Não há entendimento quando a loucura dos outros nos faz mal. Desculpe, mas, impossível entender. Nunca faça aos outros, o que não queres que façam contigo. E comigo fizeram... e de você, me apartaram. Tudo na vida tem um preço. E para alguns, essa conta nunca fecha. Mas um dia, em qualquer dia, a fatura chega... sempre chega... e ela há de chegar.


domingo, 10 de junho de 2018

500 dias sem você, meu irmão... e ainda não acredito...

Nesses 500 dias, quantas coisas passaram em minha cabeça, Waltinho. Meu irmão, como você está? Eu aqui continuo tentando entender o que aconteceu contigo. E ainda não consigo processar na minha cabeça, que você se foi... e foi da maneira que foi. Meu irmão, quanta maldade ao nosso redor, que mundo podre, com pessoas fétidas... Meu Deus, é difícil compreender tanta crueldade. Eu pensei que 1 ano depois de sua partida eu estaria pronta pra seguir adiante... mas ainda não estou inteira, e a cada dia que passa, eu tenho o mais sincero sentimento que eu nunca mais serei quem eu era. Hoje me falta um pedaço... um pedaço enorme, que me fazia ser quem sou (quem eu era, quem fui). Me falta você, irmão... me falta a presença - o saber que você caminhava neste mundo, ainda que longe de mim, mas caminhava... eu caminhava e nós dividíamos as aventuras das nossas caminhadas; um sempre sabendo do outro. E agora, Waltinho? Eu me arrasto sozinha, amparando nossa mãe e nossas tias... é difícil... a família ficou capenga, ninguém entende. Falo, descarrego em terapias tudo o que sinto, na esperança de tirar de mim essa dor, mas eu sou essa dor... eu sou essa saudade, eu sou saudade. Eu sou o que restou de mim, depois que você se foi. Eu sou a irmã orfã, que não tem nome pra caracterizar essa mutilação que é perder um irmão, meu primeiro amigo, meu bebê, meu caçula, a melhor parte de mim, Waltinho. Essa perda é irreparável, respiro pela metade, vivo pela metade, sorrio pela metade. Esses dias eu estava com tia Armida e só falar em você, ela começou a chorar... mas eu falo de você todos os dias, eu falo com você toda hora... a única diferença é que você não me responde, não ouço sua voz. Mas você é tão presente em minha vida, trabalho olhando nossa foto no porta retrato, tenho um colega de trabalho com seu nome, quando vejo filmes de guerra eu lembro de você, quando escuto alguma piada, lembro de ti... são tantos momentos, tantas coisas que me remetem a ti, meu irmão. Nem esses 500 dias, nem mesmo 5.000 dias seriam suficientes pra me fazer esquecer que eu te amo, que você é e será sempre e para todo o sempre o meu irmãozinho. Mamãe e eu rezamos juntas para que você esteja amparado e amado junto a nossa família espiritual. Tia Lamia e tia Armida rezam por você. Você jamais será esquecido. O tempo não será mais forte do que esse amor. A presença física também não vai apagar o amor fraterno que nos une. Meu irmão... meu irmãozinho, Walter Sieczko dos Santos.

quinta-feira, 7 de junho de 2018

07/06 - Aniversário Victor Hugo - Meus amores, meus irmãos, minha família

Irmãos, a melhor coisa desse mundo!!!!


Na dor e no amor
Para todo o sempre
Uma relação que não se acaba, nunca desgasta.
Amigos que Deus juntou num mesmo sangue, laços indissolúveis: FAMÍLIA

Ninguém... ninguém tem o poder de separar o que Deus determinou.

Minha família
Meus Irmãos
Meus Amigos
Meus Tesouros
A MELHOR PARTE DE MIM


Saudade de nós 3 juntos de novo...
Saudade das nossas risadas,
Saudades, Saudades, Saudades!

Aniversário do Meu Irmão Victor Hugo Araujo dos Santos, Sieczko


 Meu Neném, Caçulinha meu e do Waltinho.
Menino bom, coração de ouro.

 Filho que minha mãe abraçou de corpo e alma.
Tão querido e tão amado.

Com certeza, minha melhor herança... porque não há dinheiro no mundo que seja mais importante que meus irmão e minha família.

Feliz aniversário, Victor
Deus te abençoe com muita saúde e juízo, menino!

Tá ficando velhinho, hein meu irmão? Nunca se esqueça, Victor, você é a melhor parte de mim. Tenho muito orgulho de você, e agradeço a Deus pelo presente que é ter você como irmão.

Te amamos!

terça-feira, 5 de junho de 2018

Quando minha luz se apagar, by Andreia Sieczko

Quando minha luz se apagar, minha voz se calar e meu pranto secar, vou descobrir o mistério da Tua face, vou acordar para a verdade e Te ver por inteiro.

Quando minha luz se apagar vou caminhar nas nuvens entre Anjos e me reunir com meus, para conhecer a Tua verdade.

Quando minha luz se apagar, não haverá mais saudade e a tristeza será uma lembrança longínqua...

Quando minha luz se apagar, vou renascer de novo, serei luz e vida, eterna alegria e caminhada de esperança.

Quando minha luz se apagar, encontrarei a quem amo, abraçarei verdadeiros amigos e reencontrarei a quem perdi nesta terra.

Quando minha luz se apagar será porque minha missão terá sido cumprida e meu Pai e Senhor estará ansioso, me aguardando.

Quando minha luz se apagar, receberei a recompensa por ter travado minhas batalhas e por fim, não ter abandonado a minha fé, ainda que por muitas vezes, abalada.

Quando minha luz se apagar, será porque nada mais terei a fazer neste mundo.

Quando minha luz se apagar haverá fogos e estrelas no céu, aguardando meu triunfal retorno.

Amém!

Andréia Sieczko 


segunda-feira, 4 de junho de 2018

Você sabe que eu amo você, Waltinho Sieczko



Saudade que dói demais, meu irmão.
Saudade do quentinho do seu abraço, da sua risada...
Saudade da fé inabalável que você carregava sempre contigo.
Saudade da sua voz;
Saudade das piadas e das nossas brincadeiras;
Saudade dos áudios de whatsapp perguntando: "e aí, beleza?"
Saudade das nossas conversas.
Saudade de tudo...
Saudade até de mim, quando eu estava com você.
Saudade, meu irmão!!!!
Saudade, para sempre saudade...

Andreia Sieczko - Lembranças e Recordações ... Setembros,

domingo, 3 de junho de 2018

Texto de Carlos Moreira - Na dor todo mundo tem a mesma cara, todos se parecem, ninguém é diferente.

Frejat, em uma das suas canções, diz que todo mundo é parecido quando sente dor. A dor, ao que parece, nivela as pessoas e revela os seres humanos tal e qual eles são, humanos. Na dor não há rico ou pobre, feio ou bonito, apenas homens. Nela as máscaras forjadas para distinguir as pessoas caem por terra revelando a semelhança existente entre todos.

Sobre isso diz Oscar Wilde: “diferente do prazer, a dor não usa máscaras”. A dor é na verdade um sublime momento de revelação. Nela temos acesso aos mais profundos recônditos da alma humana e conhecemos as nossas limitações que tão orgulhosamente tentamos esconder no dia a dia.

Na dor todo mundo tem a mesma cara, todos se parecem, ninguém é diferente. Talvez seja por isso que no sofrimento os homens tendem a ser solícitos e solidários uns com os outros, exatamente por que se assemelham. Os que choram e partilham as mesmas dores sempre se abraçam fraternalmente como irmãos.

Vejam como se parecem os homens enquanto choram. Vejam como são igualmente decaídos os semblantes, vejam como rolam iguais as lágrimas que se precipitam dos olhos e caem na terra do nosso coração fecundando-a. Fecundando-a! a dor gera vida e não morte!

A dor, desde que saibamos absorver os seus ensinamentos, será a melhor de todas as mestras. Ela pode até nos redimir. A dor é redentora, somos salvos pela dor. Triste do homem que é incapaz de senti-la, de aprender com ela, de ser redimido por essa grande tutora que nos conduz por um caminho difícil, mas triunfante.

Entretanto, é também igualmente verdade, que devemos lidar com a dor com a cabeça erguida, sem nos entregar a uma tristeza avassaladora. Devemos ser como aqueles “que não se ajoelham para beber água”, que nunca perdem tempo com excessivas lamentações e que não se deixam abater pelos percalços da vida.

Devemos suportar a dor sem lamentar o destino ou supor que estamos sofrendo por causa do que fizemos e não deveríamos ter feito. Pelo contrário, faremos da dor o combustível que nos move velozmente em direção ao futuro.

A dor é algo inerente a natureza e a existência humana. Quem não sofre e não sente dor certamente também não se pode dizer humano e vivo. A grande questão é: o que faremos das nossas dores? Quanto a mim, embora não a cultue, respeito-a e aprendo com ela. E você? O que faz com a sua dor?

Texto de Carlos Moreira